Veterinária – Importância da desparasitação

Mister Eddie
Mister Eddie – Foto: André Prexx

Um dos principais cuidados básicos de saúde a ter com o seu animal é a desparasitação. Os animais podem ser infestados com vários tipos de parasitas. Os externos (ectoparasitas) como as pulgas, carraças, ácaros e piolhos e os parasitas internos (endoparasitas), tal como as ténias e as lombrigas, que se alojam essencialmente a nível do tubo digestivo.

 

Parasitas externos 

Pulgas – são pequenos animais pertencentes à classe dos insetos.
Se as condições forem ideais (proliferam-se preferencialmente nos meses mais quentes), as pulgas fêmeas podem colocar entre mil a dois mil ovos, que se irão alojar não só no pelo do animal, mas também em tapetes e carpetes. Quando os ovos eclodem e após várias metamorfoses, surge a pulga adulta, que é o parasita definitivo.

A pulga irá então alimentar-se do sangue do animal, perfurando a pele deste através das suas presas bucais.

Existem várias doenças provocadas pela picada da pulga. Para além da comichão que provocam, os animais estão sujeitos a terem uma reação alérgica a essa picada, provocando-lhe queda de pelo, um prurido intenso e feridas devido ao animal coçar-se.

Carraças – tal como as pulgas, as carraças alimentam-se do sangue do animal, fixando as suas presas bucais na pele e inoculando uma saliva especifica que solidifica e ajuda a carraça a fixar-se. Para além do incómodo que elas provocam no animal, as carraças podem transmitir doenças, como por exemplo, Erlichiose (a febre da carraça).

 

Parasitas internos 

Alguns dos sintomas que o animal tem são: vómitos, diarreia (nos quais muitas vezes são visíveis os parasitas), emagrecimento (por exemplo no caso dos cachorros pode-se verificar um certo inchaço na zona abdominal e anemia).

 

Prevenção/Tratamento 

A melhor maneira de evitar que o seu animal tenha parasitas tanto externos como internos é mesmo prevenir! Visto que eles podem apanhá-los em qualquer local e também em contacto com outros animais, convém manter o local onde o animal habita em boas condições de higiene.

No caso dos parasitas externos, existem vários antiparasitários disponíveis no mercado, que podem ser específicos para um só parasita, ou para vários, na forma de coleiras, champôs, sprays, comprimidos, spot-on, etc., sendo que alguns donos optam por utilizar mais do que um produto ao mesmo tempo, como por exemplo a coleira e o spot-on.

cao_deitadoQuanto às desparasitações internas, estas devem ser feitas num plano de 4 em 4 ou de 6 em 6 meses. No caso dos animais bebés, estes poderão ser desparasitados a partir das 2 semanas e depois uma vez por mês, até completarem 6 meses.  Este tipo de desparasitação consiste na administração de um anti-helmíntico que pode ser de largo espectro, ou seja, abranger um leque vasto de diferentes parasitas, ou específico para um determinado parasita.

No entanto, podem ocorrer situações particulares, onde os intervalos de desparasitação podem ser mais curtos, como é o caso de fêmeas gestantes, animais jovens, animais doentes, cães pastores, cães de caça e de trabalho.

Se tem crianças, idosos ou indivíduos imunocomprometidos em casa, consulte o seu médico de família, pois pode ser necessária a desparasitação dos seus familiares.

Animais de estimacao e familia
Animais de estimacao e familia

Não se esqueça que muitos dos agentes que contaminam os nossos animais também podem contaminar a si!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.